AdSpace

Últimas

quinta-feira, 1 de outubro de 2020

COMPORTAMENTO: A TECNOLOGIA ESTÁ NOS EMBURRECENDO?

                        











A Tecnologia Está Nos Emburrencendo?

Einstein, Da Vinci e Newton são figuras reconhecidas por suas importantes contribuições científicas e para o entendimento do mundo a partir delas. Assim com tais, inúmeras outras personalidades também ofereceram seus arcabouços intelectuais visando modificar a sociedade e impulsionar o avanço do homem. Todas eles tinham em comum uma inteligência admirável frente ao tempo vivido, conseguindo romper a esfera teórica e notabilizando suas capacidades no empirismo. Se vivessem hoje, estariam satisfeitos com o nível intelectual, sobretudo no imperativo das relações interpessoais, ostentados por nós?

Com o advento da internet, e a constante evolução da tecnologia, o cérebro humano passou a ser bombardeado por um número significativo de informações, deixando-o em plena atividade. Mas, qualitativamente, ele estaria mais ativo? Como a velocidade dos dados é intensa, é razoável pensarmos sobre a incapacidade do órgão em processar tantas entradas, uma vez precisando de tempo para essa tarefa. Se ele não registra, logo os dados são meramente visualizados sem sofrerem nenhum tipo de  tratamento. A consequência disso nós percebemos na prática: olhamos de tudo; mas internalizamos quase nada.

Quando partimos para as relações sociais o cenário vai ficando mais desfavorável. Trazendo novamente as contribuições de Einstein, o qual disse: "Eu temo o dia em que a tecnologia ultrapasse a interação humana; e o mundo terá uma geração de idiotas." Para validar a afirmação anterior, basta-nos observar a influência que o telefone celular tem em nossas vidas. É comum, numa reunião familiar ou em um encontro de amigos, as conversas face a face serem substituídas pelo uso do smartphone, freando as influências e dando um inequívoco sinal de sustentação de um comportamento pautado unicamente no meio virtual.


Os desdobramentos resultantes desse estado são diversos, indo desde a perda da capacidade de nos relacionarmos com o real, tornando as relações afetivas frágeis e desinteressantes, até a percepção de sobrevivência; pois, uma vez ela sendo facilitada, nos imputa um estágio intelectual mais lento, onde o pensar fica em segundo plano. Ora, não é preciso ser um gênio para ter um perfil no Tinder e arranjar encontros esporádicos; tampouco é obrigatório ter doutorado em Ciências Políticas para manter um canal no Youtube, com meio milhão de inscritos, entregando conteúdos duvidosos.

Todavia, há outros comportamentos denunciando a falta de exercício da massa cinzenta no trato com a tecnologia. Como, por exemplo, as discussões inúteis e agressivas nas redes sociais. Lá, os embates dão a tônica possuindo um arsenal repleto de xingamentos, injúrias, acusações, etc. Existem também a defesa de ideias esdrúxulas e um certo orgulho por isso. Geralmente, esses indivíduos vão ao encontro de teorias inverossímeis e sem nenhuma praticidade. Além, é claro, das poderosas notícias falsas. Elas são capazes de interferirem em eleições e são amplamente utilizadas no Brasil, em especial por políticos desonestos e pessoas de caráter rasteiro com a clara finalidade de moldar a opinião pública.

Estar na rede, endossando essas práticas, é fazer parte de um movimento o qual compromete a inteligência do sujeito e abre portas perigosas para retrocedermos como sociedade. O analfabetismo funcional tem direta participação nessa conjuntura, afinal as pessoas mais vulneráveis tendem a se comportarem alinhadas com a estrutura citada no parágrafo anterior. O fato é, o arranjo mostrado nas redes sociais, com informações rápidas e com linguagem simples, está impactando o modo como pensamos e como prestamos atenção nas coisas. A hiperconectividade é inimiga do pensamento elaborado, pois o tempo é vital para os diálogos ocorrerem. 

De forma alguma advogamos aqui contra o uso da tecnologia. A internet modificou a vida do homem e é impensável vivermos sem ela como outrora foi. No entanto, qualificar a forma como a usamos é uma boa pedida e nos ajuda a maximizar nossos ganhos, principalmente no campo da interpessoalidade e no crescimento pessoal. Quando extrapolamos na aplicabilidade dessa ferramenta, estamos, mesmo inconscientemente, confirmando o quão superficiais e incapazes somos por não termos o predicado de conservar relações saudáveis com as pessoas ao redor. A consequência disso é vivermos num mundo cada vez mais fútil e egoísta.
 

Fotos da Internet
02/10/2020


COMPORTAMENTO: A TECNOLOGIA ESTÁ NOS EMBURRECENDO?
  • Título : COMPORTAMENTO: A TECNOLOGIA ESTÁ NOS EMBURRECENDO?
  • Postado por :
  • Data : 21:43
  • Categorias :
  • Comentários Facebook
  • Comentários Blogger

0 comentários:

Postar um comentário

Top