AdSpace

Últimas

quarta-feira, 8 de julho de 2020

POLÍTICA - SÍMBOLOS NACIONAIS NÃO PERTENCEM A GOVERNOS

A Gente Que Faz -  Símbolos Nacionais Não Pertecem a Governos 
   Por Rôney Araújo

Preciso te dizer uma coisa: sua professora da quarta série te enganou. Talvez não por ela ser uma pessoa má ou ardilosa — algumas até são, mas isso fica para depois — e sim por ela nem mesmo saber que se tratava de um equívoco. No caso, ela, você e toda a turma foram enganados. Ao se falar dos símbolos pátrios, era comum escutarmos, na sala de aula, sobre as cores da bandeira nacional e seus significados ligados às riquezas do país (amarelo), às matas e florestas (verde), ao céu e aos rios (azul) e também à paz (branco).  Entretanto, a semântica dos termos destoa das acepções reais e históricas as quais as cores realmente retratavam.

O verde simbolizava a casa real de Bragança, de onde D. Pedro I era oriundo. O amarelo era da casa real de Habsburgo-Lorena, família da primeira esposa de D. Pedro, D. Leopoldina. Somente essas duas cores existiam na antiga flâmula. A bandeira do Brasil foi remodelada em 1889, na Proclamação da República, ganhando novas formas e representatividades ante o período imperial, embora essa nova roupagem nunca tenha sido, de fato, documentada. Desfeito o engano, e, por favor, perdoe sua professora, gostaria de tecer algumas linhas a respeito do sentimento causado por esses símbolos nos brasileiros e como eles são usados indevidamente para representar autoridades governamentais.

É comum, em regimes autoritários e ultranacionalistas, o emprego de símbolos nacionais de modo a serem utilizados para antagonizar àqueles desalinhados a esses regimes, tachando-os de antipatriota. No Brasil, após os atos ocorridos em junho de 2013, começou a ser observado, principalmente nos perfis em redes sociais, o surgimento de um patriotismo irracional, liderado, em sua maioria, por radicais avessos a diálogo. Estampando a bandeira do Brasil nos seus nomes na internet e, trajando a camisa da seleção brasileira de futebol em manifestações nas ruas das grandes cidades, tais indivíduos aglutinaram-se, ao passar dos anos, em mais e mais adeptos e foram responsáveis pelo nascimento de um movimento de extrema-direita no país.

Ao término das eleições presidenciais de 2018, com a vitória de Jair Bolsonaro, o movimento ganhou mais força. Do outro lado, os discordantes das idealizações pregadas pelo candidato eleito, se sentem usurpados ao constatarem que a bandeira nacional, uma das honrarias do Estado, virou o retrato de identidade visual de um governo o qual não os representam. O sentimento da falta de representatividade pode ser tão devastador quanto a negação da realidade, ao passo da sua existência e da necessidade de  ser combatida. A História nos diz sobre o fascínio dos líderes populistas pelos os discursos pérfidos e ações controversas, pois, tudo isso mascara os inúmeros problemas enfrentados por essas lideranças frente a governabilidade. Apropriar de símbolos nacionais e acusar a oposição de anti-patriotismo parece ser uma estratégia eficaz — e baixa.

Com mecanismos refinados, a extrema-direita constrói uma narrativa objetivando misturar os conceitos de Estado e de governo e as percepções daí geradas, criando, portanto, a exegese que vem ao encontro de um entendimento, com caráter rudimentar e totalmente inverossímil, anunciando dois possíveis caminhos: ou és brasileiro e escolhes lutar ao meu lado, aceitando o repertório de ideias das quais comungo, ou és um desertor da pátria, restando-lhe, exclusivamente, o ostracismo político e a margem do debate. Deixar se guiar por tamanho maniqueísmo é entrar no jogo estúpido empunhado por esses grupos. Eles, visam apenas legitimar o ódio nutrido a quem pensa diferente camuflando seus verdadeiros propósitos por meio de um nacionalismo tosco e vazio.  


Além disso, o referido ajuntamento almeja gerar uma sensação desagradável a quem se opõe a ele, pois tenta incutir em nossas cabeças uma posição de culpa para nos manipularmos e assim controlar a política sem ter oposição operante. A definição de patriotismo e de identidade nacional não pode ser definida por ninguém. Quando há tentativas nesse sentido, estamos, necessariamente, diante de um quadro autoritário imbuído de intenções contrárias ao ideário republicano. A cooperação, para combater essa horda de pensamento, se inicia com a participação plena no debate público a fim de promover ações garantidoras sobre o pluralismo das opiniões e a diversidade frente ao processo político.

Em suma, faz necessário deixarmos de lado os discursos radicais e nos posicionarmos contra quem os pregam. A bandeira do Brasil e os demais símbolos pátrios pertencem a todos os brasileiros e não podem ser sequestrados por nenhuma corrente ideológica. É preciso também desconstruirmos a relação existente entre a imagem transmitida por determinado governo com os atributos utilizados por ele. Xenofobia, racismo, homofobia, etc., são apregoados em vários domínios totalitários pelo mundo e, geralmente, eles têm em comum um culto ao nacionalismo disparatado e apego a simbologia de origem. A bandeira nacional é um dos ícones da Nação e de seu povo, jamais podendo ser atrelada a qualquer Administração. Os governos passam, os símbolos nacionais ficam.

Fotos Ilustração da Internet 
Da Redação, 10/07/2020
POLÍTICA - SÍMBOLOS NACIONAIS NÃO PERTENCEM A GOVERNOS
  • Título : POLÍTICA - SÍMBOLOS NACIONAIS NÃO PERTENCEM A GOVERNOS
  • Postado por :
  • Data : 18:46
  • Categorias :
  • Comentários Facebook
  • Comentários Blogger

0 comentários:

Postar um comentário

Top